Energia Elétrica, Hídrica, Eólica, Fontes de Energia e outros

Tarifa Branca na Conta de Energia Elétrica – O que é? Vale a Pena? Como Funciona?

A tarifa branca terá início a partir de 2018, onde alguns usuários poderão aderir ao novo sistema de cobrança no consumo de energia no brasil.

75

A Tarifa Branca é um novo modelo de tarifação na conta de energia que estará disponível para os consumidores em breve. No novo sistema, diferentemente do que ocorre no sistema de bandeiras tarifárias, o usuário será cobrado de acordo com o horário de consumo, e não com o preço da geração de energia.

A opção estará disponível para UCs (unidades consumidores) que fação parte do grupo “B” de consumo de baixa tensão que atende às voltagens de 127, 220, 380 e 440 volts. Além disso, os usuários pertencentes ao grupo “A” de baixa tensão, também poderão fazer parte do novo modelo de tarifas.

O QUE É TARIFA BRANCA E O QUE É HORÁRIO DE PONTA?

Os termos “tarifa branca” e “horário de ponta” foram definidos pela ANEEL para serem utilizados para categorizar o valor a ser cobrado pela concessionária de energia elétrica do usuário de acordo com o horário do consumo. O primeiro se refere aos horários em que a energia estará mais barata, e o segundo aos horários mais caros.

Há ainda o horário intermediário em que a energia custará mais cargo que a tarifa branca, porém mais barato do que no horário de ponta.

SISTEMA DE TARIFA BRANCA – COMO FUNCIONA?

A ANEEL criou esta opção tarifária para que os consumidores possam controlar e economizar o uso de energia elétrica no Brasil. Sabendo em qual horário o custo da energia é maior/menor, o cliente poderá utilizá-la de forma consciente, e gastar menos com a conta de energia no final do mês.

O regime tarifário considera o horário de consumo para estabelecer o preço a ser pago pela energia. Atualmente não há distinção de preços entre o horário de utilização (consumo) de energia, independente de que a utilização se dê de manhã, de tarde, de noite ou na madrugada.

HORÁRIOS MAIS CAROS

TARIFA BRANCA - HORÁRIOS

No sistema de tarifa branca o valor da energia se torna mais caro no horário de maior consumo, quando a rede possui uma maior demanda dos usuários, horário de pico de utilização, costuma ocorrer entre as 18h até às 21h.

Há que se falar ainda que os horários mais caros não serão os mesmos para todo território nacional. O que se sabe até agora é que o valor da tarifa mais cara terá duração de três horas, ficando a cargo da distribuidora de energia definir o horário em que a tarifa estará mais elevada.

Em São Paulo, por exemplo, a distribuidora de energia Eletropaulo definiu que na Região metropolitana da cidade, o horário de ponta se dá entre as 17h30 a até 20h30. Em Minas Gerais, a Cemig estabelece que o horário de maior custo será das 17h até as 20h.

A ANEEL divulgou a seguinte imagem ilustrativa em seu site:

TARIFA BRANCA NA CONTA DE ENERGIA - COMPARATIVO - ANEEL
Imagem: ANEEL

Durante uma hora antes, e também uma hora depois do horário em que a energia estiver mais cara, a energia terá custo intermediário. Nos demais horários, terá um custo baixo. Não haverá diferenciação tarifária nos fins de semana, dado que o consumo aumenta consideravelmente em todos os horários.

Ficará assim:

  • Horário Energia mais Cara: Durante três horas do dia, de maior consumo, geralmente entre as 18h às 21h valor será o mais elevado do dia.
  • Horário Energia com Custo Intermediário: Antes e depois do horário mais caro, por uma hora cada, o valor da energia terá um custo intermediário.
  • Horário Energia mais Barata: Durante todo os demais horários, os valores do consumo será mais barato, algo em torno de oito horas antes e oito horas depois dos horários com custo intermediário.

INÍCIO DA DISPONIBILIDADE

Em 6 de setembro de 2017, em uma reunião  pública da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), a diretoria da agência reguladora decidir pela adoção do novo sistema de cobrança de energia.

A tarifa branca entrará em vigor a partir de 01 de janeiro de 2018, em todo o território nacional, no entanto, nesse primeiro momento, atenderá apenas a consumidores que possuam uma média mensal de consumo superior a 500 kWh. Até 2020, todos os clientes de todas as faixas de consumo poderão ser atendidos pelo sistema de tarifa branca. Veja:

Disponibilidade por Consumo de Energia:

  • Consumo de 500 kWh ou mais: Haverá disponibilidade a partir de 1º de janeiro de 2018 para os consumidores que utilizarem 500 kWh ou superior.
  • Consumo de pelo menos 250 kWh: A partir de 2019, será disponibilizado o sistema de tarifa branca para essa classe de usuários.
  • Consumo abaixo dos 250 kWh: Aqui entram todas as outras classificações de baixo consumo de energia, o que agrega grande parte dos usuários, os quais serão atendidos em 2020.

TARIFA BRANCA DEIXAR MAIS CARA A CONTA DE LUZ?

TARIFA BRANCA DEIXAR MAIS A CONTA DE LUZ MAIS CARA OU BARATA

Em 2020 a tarifa branca estará disponível para todos os usuários de energia elétrica no Brasil. Vale lembrar que a mudança por em quanto é opcional, e que é importante analisar se vale a pena solicitar a mudança no padrão de cobrança.

A Proteste – Associação Brasileira de Defesa do Consumidor tem alertado que não se deve alterar para o modelo de tarifa branca por impulso. É necessário fazer uma analise no seu consumo diário de energia para ver se realmente o modelo de tarifa branca vale a pena para você.

Se você está preocupado em saber se sua conta de luz irá ter seu preço reduzido ou elevado, fique atendo, pois segundo a Proteste, o consumo no sistema de tarifa branca pode reduzir em média 17% no horário fora do horário de ponta, como também pode aumentar em até 84% nos horários de ponta, em que a energia estiver mais cara.

A Proteste afirmou sobre a tarifa branca em seu site que:

“Ela pode ser uma armadilha para muita gente, principalmente para as pessoas que passam o dia todo fora de casa”.  

A associação afirma que o novo sistema pode beneficiar pessoas que morem sozinhas ou aquelas que estuam ou trabalham a noite.

TARIFA BRANCA VALE A PENA?

Para saber se a tarifa branca vale a pena para você, basta verificar qual será o horário de ponta (mais caro) na sua região. A concessionária de energia local definirá este horário. Se você não utilizar muito aparelhos elétricos e eletrônicos durante este horário, provavelmente valerá a pena, caso contrário, é melhor não migrar para o novo sistema.

Vamos imaginar que os horários na sua região sejam os seguintes:

  1. Das 19h até às 21h – a tarifa de horário de ponta sendo cobrada, esta é a mais cara do novo sistema tarifário.
  2. Das 18h às 19h e das 22h até às 23h – o valor cobrado sendo o intermediário de tarifas.
  3. Das 23h até às 17h do dia seguinte – sendo cobrada a tarifa branca na conta de luz, sendo esta a mais barata.

Se você estuda ou trabalha fora durante os horários de ponta (das 19h até as 21h), ou passa a maior parte do seu dia em casa durante os horários da tarifa branca, provavelmente valerá a pena para você.

Agora, se você passa a maior parte do dia fora de casa e quando chega em casa à noite utiliza seus aparelhos elétricos (máquina de lavar, chuveiro elétrico, ar condicionado/central de ar/Split, nos horários de ponta, provavelmente não será um bom negócio mudar para esse modelo de tarifas.