Energia Elétrica, Hídrica, Eólica, Fontes de Energia e outros

Energia Nuclear – Como o Urânio se Transforma em Energia

A Energia Nuclear é um tipo de energia não renovável, pois é gerada através da transformação do Urânio em energia nuclear por meio de usinas nucleares.

23

Desde que no final de 1942, entrou em ação, na Universidade de Chicago, nos Estados Unidos, o Chicago Pile-1, o primeiro reator nuclear artificial, a energia nuclear, ou seja, aquela liberada pelos átomos de elementos químicoa, apresenta-se à humanidade como uma opção para a satisfação de suas necessidades energéticas.

Apesar da sombra criada pela possibilidade de uso bélico da energia nuclear, como nas cidades japonesas de Hiroshima e Nagasaki no final da Segunda Guerra Mundial, e das preocupações com o gerenciamento de resíduos e com o risco de acidentes, as usinas nucleares fornecem energia elétrica aos habitantes de vários países, inclusive o Brasil, que tem em funcionamento as usinas de Angra 1 e Angra 2.

Os Estados Unidos são o maior produtor de energia nuclear do mundo: um quinto do consumo de energia nesse país vem de suas usinas nucleares, as respondem por mais da metade da energia produzida sem emissões de poluentes atmosféricos do país e por um terço de toda energia nuclear produzida no mundo.

COMO É PRODUZIDA ENERGIA ELÉTRICA NAS USINAS NUCLEARES

O urânio, elemento químico radioativo que ocorre naturalmente na Terra, é o combustível fóssil mais comumente usado em reatores nucleares. Os núcleos (formados por prótons e nêutrons) dos átomos desse elemento são bastante instáveis e sofrem fissão (divisão), formando outros elementos mais leves e liberando nêutrons e energia.

Energia Nuclear

Em um reator nuclear, os nêutrons liberados atingem outros núcleos, o que provoca novas fissões e a liberação de mais nêutrons, tornando continuação do processo de fissão algo autossustentável, a chamada reação em cadeia.

Nas usinas nucleares, a energia liberada pela fissão nuclear é, em um processo análogo ao usado nas usinas termoelétricas, usada para produzir vapor, o qual movimenta turbinas e gera, dessa maneira, eletricidade a ser distribuída pela rede elétrica.

ALGUMAS DAS VANTAGENS DA ENERGIA NUCLEAR

Entre as vantagens da energia nuclear, pode-se citar o fato de que sua produção, como mencionado acima, não libera na atmosfera poluentes como o dióxido de carbono, um dos principais causadores do Aquecimento Global.

Apesar dos altos custos iniciais, a produção de eletricidade a partir do urânio é relativamente barata, especialmente quando comparada com outras formas de energia que também não exigem para sua produção a emissão de poluentes atmosféricos.

Além disso, usinas nucleares passam mais tempo funcionando do que usinas solares e parques eólicos, que dependem, respectivamente, do Sol e dos ventos para funcionar.

Nem sempre os horários em que a energia eólia e também a energia solar podem ser produzidas são os horários de maior demanda de energia. O caráter quase contínuo da produção de energia nuclear dá mais estabilidade e flexibilidade ao planejamento energético.

ALGUMAS DAS DESVANTAGENS DA ENERGIA NUCLEAR

Apesar dos cuidados tomados no planejamento, construção e administração de usinas nucleares, o risco de acidentes nucleares, como aqueles que aconteceram em Three Mile Island, nos Estados Unidos, Chernobyl (o mais grave acidente nuclear da história), na antiga União das Repúblicas Socialistas Soviéticas, e Fukushima, no Japão, está entre as desvantagens da energia nuclear para produzir eletricidade.

Um outro problema com as usinas nucleares – e outros que envolvem energia nuclear ou materiais radioativos (na medicina, por exemplo) – é o de lidar com o “lixo atômico”, os resíduos contendo elementos radioativos.

A radiação desses resíduos pode causar câncer. Como ela decai com o passar do tempo, o “lixo atômico” deve ficar isolado do ecossistema pelo tempo necessário para que deixe de ser uma ameaça.

Um exemplo de resíduo radioativo frequentemente criado pela fissão nuclear nos reatores é o Pu-239 (o isótopo do elemento químico plutônio com 145 nêutrons), que mantém sua periculosidade para seres humanos durante milênios após sua criação. O gerenciamento desses resíduos é uma tarefa essencial para impedir a contaminação radioativa do ambiente e proteger a saúde dos seres humanos.